Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

sexta-feira, 15 de março de 2013

A LINHAGEM- CAMILA DORNAS

Minha resenha de hoje é de "A Linhagem", de Camila Dornas, mais uma escritora nacional super bacana. E tem mais coisa bacana: ela é de Brasília, mais específico, Taguatinga, uma cidade em que passei metade de minha vida, e tenho um carinho excepcional. Então, quando vi a capa do livro na internet, me encantei com a beleza e assim fui procurar por mais detalhes. Quando li a sinopse, percebei que se tratava de um livro sobre bruxas, e chamou mais ainda minha atenção. Mas quando eu terminei a leitura, conclui que a bruxaria não foi tão tratada como eu esperava, mais não tirou o brilho da trama,  é na verdade um romance super cativante.




Sinopse: Londres do século XVIII. A capital da Inglaterra era um dos mais importantes centros do mundo. Vestidos pomposos, elegância e boas maneiras. Um tempo onde as posses e a reputação regiam a sociedade. A igreja possuía poder absoluto e condenava aqueles os quais pesava a suspeita de bruxaria— a arte oculta temida e repudiada pelo senso comum. Nesse cenário intimidador, surge uma mulher especial, com dons inimagináveis. E um destino grandioso...




A trama é um romance de época e gira em torno de Evangeline Bennett, uma mulher diferente para os padrões da sociedade daquele século. Ela gosta de andar a cavalo, não suporta os vestidos luxuosos e critica a submissão das mulheres daquela época.
O livro se inicia com sua dama de companhia, Morgana, considerada como uma mãe para Evangeline, já que sua mãe, Beatriz Rothe faleceu quando ela ainda era um bebê, a chamando para se apressar para a sua festa de noivado. Como era de costume antigamente, os casamentos eram arranjados. Não seria diferente para Evangeline. Ela iria se casar com o mais chato dos caras, mais muito influente na sociedade, Hector Callum, ninguém menos do que o primo do Rei. 
Ela comparece ao baile, dança com alguns convidados, mas estava claro que ela não queria estar lá. Durante a festa, ela encontra seu melhor amigo, Albert, um homem mulherengo e conquistador, fã de uma boa bebida. Esse encontro a deixa mais tranquila, porém, chega a hora dela conhecer seu noivo, e o resultado não foi muito agradável. Ele a tratou como se ela fosse uma propriedade, e isso gerou uma irritação muito grande nela e quando ela se deu conta, todos os convidados estavam desesperados, correndo de uma quantidade de louça e acessórios sendo estilhaçados, sem saber de onde vinha.
Isso é uma característica de Evangeline, ela consegue mover os quatro elementos terrestres: água, fogo, terra e vento. Porém, ela ainda não sabe se controlar, e acaba causando alguns problemas. 
Após o incidente, seu pai, Julian Bennett, o marquês de Winchelsea, a chama para seu escritório, para uma conversa. O que é estranho, considerando que eles mantêm uma relação super fria e distante. Lá ele a agride e a chama de bruxa. Na verdade, ela quer que ela preste atenção em sua atitudes para não manchar o nome da família.
Ela decide não voltar para sua festa e segue para os estábulos. Lá ela conhece Henry Atlee, o novo empregado da fazenda, responsável por cuidar dos cavalos, e daí vai surgir uma grande paixão, o que não é bem visto aos olhos da sociedade daquela época, mas não existe limites para essa mulher que não liga para nenhum tipo de status.
Na mesma noite, após o encontro com Henry, ela segue andando na fazenda e vê uma luz entre as árvores que povoam a propriedade e ela segue para ver do que se trata. Ela então conhece o misterioso Dorian, e descobre que ele é como ela, possui os dons, e que há mais pessoas como ela. A princípio, ela fica resistente a ele, mas decide arriscar.
Bom, quando eu cheguei a esse ponto, imaginei não ter tanta ação por acontecer, mas a trama me surpreendeu: Evangeline saiu de carruagem com Henry, e no meio do caminho, Henry achou que atropelou um homem. Ele para pra checar e se dá conta de que eles estão cercados por criaturas maltrapilhas e com os olhos brancos, o que seriam eles? Ela então precisa fazer alguma coisa, e usa sua magia para se livrar dos homens estranhos. Henry sai machucado e ela, bom, ela desmaiou. Isso vai acontecer várias vezes durante o livro! Confesso que isso me irritou, muito frágil da parte dela, digo isso por ela mostrar uma personalidade forte, muitas vezes irritante, e ao final de cada momento crucial, ela desmaiava. Enfim, ela tinha que aprender a canalizar poder dos elementos ao redor dela, e não era fácil. 
Essa situação com os homens dos olhos brancos foi o início de uma série de acontecimentos que levam Evangeline a crer que algo errado está acontecendo e que ela tem algo a ver com isso. E pra piorar a situação, o Rei sofre um atentado. Ela então quer descobrir o porque de tudo isso, e vai contar com a ajuda de Henry, seu melhor amigo Albert e sua amiga Genevieve, uma artista super moderninha para a época.
O livro é super rico em detalhes e costumes de época, Camila conduz a trama de uma forma leve que sem perceber você já foi fisgado pela trama. Imagino a pesquisa que ela teve que fazer para compor os personagens e todo o cenário, fantástico!
No início, não curti a personagem principal, mas com o decorrer dos acontecimentos, Evangeline me conquistou. Estava torcendo por ela até os últimos capítulos. Na verdade, achei o final do livro muito rápido. Acredito que poderia ter sido mais demorado, e a magia mais aproveitada. 
Mas isso não tira o brilho desse romance, em que aborda uma moça que não se encaixa no modelo que a sociedade impõe, mas ela só quer ser feliz, quer uma família em que ela possa encontrar refúgio e proteção, em que ela possa ser quem ela sempre quis, e de certa forma, livre.
Eu leio nacional e super indico. =)


Nenhum comentário:

Postar um comentário