Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

quarta-feira, 1 de maio de 2013

O ESPADACHIM DE CARVÃO- AFFONSO SOLANO

"A tendência das pessoas inseguras é ferir ou afastar delas aquilo que não compreendem."

É com maior orgulho que resenho mais um livro da literatura nacional. Dono de uma capa maravilhosa, e ilustrações a cada capítulo, O Espadachim de Carvão é o primeiro trabalho do escritor Affonso Solano pela editora Fantasy- Casa da Palavra. Pra que não conhece, Solano trabalha como ilustrador e storyboarder para empresas como TV Globo, TV Record e agências de publicidade. É colunista do site Tech Tudo e co-criador do site Matando Robôs Gigantes, hoje incorporado ao grupo Jovem Nerd.


Sinopse: filho de um dos quatro deuses de Kurgala, Adapak vive com o pai em sua ilha sagrada, afastada e idolatrada pelas diferentes espécies do mundo. Lá, essa entidade de olhos brancos e pele cor de carvão cresce com todo conhecimento divino ao seu dispor, mas consciente de que jamais poderá deixar sua morada. Ao completar dezenove ciclos de idade, no entanto, isso muda. Sua ilha é  invadida por um misterioso grupo de assassinos, e Adapak se vê forçado a fugir para sobreviver. Nesta fuga, ele terá que se expor aos olhos do mundo pela primeira vez. Na busca pela identidade daqueles que desejam a morte dos Deuses de Kurgala, Adapak colocará em prática todos os conhecimentos adquiridos, inclusive a técnica de combate que estudou durante toda a vida. Em uma luta de sobrevivência e devoção, Adapak terá de confrontar toda a sua pureza, nascida do isolamento, com um mundo desconhecido, que ao mesmo tempo em que o venera, deseja sua morte.


Kurgala é um mundo com cultura própria e diferentes tipos de criaturas. E é nesse meio que acompanhamos Adapak, um rapaz que tem a cor de carvão impressa em sua pele e que facilmente acredita nas pessoas. Isso é devido a não ter tido contato com elas em boa parte de sua vida. Quando começa a ser perseguido sem ter a menor ideia do porque, ele se vê forçado a sobreviver se quiser se proteger dos criminosos. Tudo isso sem perder sua essência. 
Na jornada por respostas ele se depara com situações bem diferentes das que lia nos livros, levando-o a questionar o que é ser bom ou mau de fato. Além de alguns mistérios sobre ele mesmo.
Em seus muitos ciclos na ilha, Adapak adquiriu um conhecimento teórico de todas as espécies e línguas de Kurgala. Mas foi em sua jornada que ele pode por em prática todo o conhecimento, surpreendendo e fazendo novos amigos também.
Apesar de ser uma criatura ingênua, o jovem tem uma incrível habilidade com espadas, suas companheiras Igi e Sumi. O que torna o personagem mais atraente!
É nesse clima que acompanhamos Adapak em suas batalhas tão bem descritas que te transporta para a situação em contexto. Solano tem uma narrativa tão leve que quando você vê, está envolvida na história e não consegue mais parar de ler! Ele menciona as diversas espécies de Kurgala e você pensa, é muita gente, eu não vou lembrar! Mas ele descreve tão bem que você já se sente familiarizado com Kurgala.
O início do livro começa com Adapak fugindo e lutando contra alguns seres que o estão caçando. Os capítulos que se seguem são intercalados com o presente e com parte do passado do jovem, com momentos importantes pra conhecermos Adapak. E é com essa alternância que vamos desvendando todo o mistério dessa perseguição, além de conhecer mais o personagem, e mais: um romance bem sutil com a jovem T'arish. Essa sacada de intercalar foi super bacana, prende o leitor literalmente!
O final do livro é totalmente imprevisível e porque não dizer surpreendente, eu curti horrores! Eu só tenho uma observação a fazer: o livro só tem 255 páginas! Só isso! Mas por outro lado, super bem dividida a história, Solano conseguiu sabiamente contar essa aventura de forma sensacional, como não admirar? 
Se tiver continuação (o final deixa um ponto de interrogação) vai ser perfeito, se não, a história já valeu demais! Se Affonso Solano começou super com o pé direito dessa forma, imagina os livros que virão a seguir?
Aos que curtem literatura fantástica, O Espadachim de Carvão é uma excelente pedida, você vai se surpreender! Você pode ler o primeiro capítulo e ser tentado a conferir o restante da trama! Clique Aqui =D 

Ikibu.


Um comentário:

  1. Feliz que curtiu, Kênia! Obrigado pela resenha!! Se tiver tempo depois, coloque-a no Skoob.com.br p/ mais pessoas verem! ;) Abraço!

    ResponderExcluir