Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

domingo, 14 de julho de 2013

O OCEANO NO FIM DO CAMINHO- NEIL GAIMAN

"Eu ficaria aqui, até os fins dos tempos, num oceano que era o universo que era a alma que era tudo o que importava. Eu ficaria aqui para sempre."

Sou muito apaixonada por Neil Gaiman! Por sua escrita, por sua genialidade. E assim que saiu seu novo romance, O Oceano no Fim do Caminho que fiquei na ansiedade para conferir a trama. E como era de se esperar do gênio, ele não decepcionou. Li o livro inteiro essa manhã e achei sensacional. Dono de uma capa de tirar o fôlego, nunca encontrei tanta citações belas e reflexivas como nesse livro. 
Pra quem não conhece o escritor, Neil Gaiman é inglês e é conhecido pela série de quadrinhos Sandman e pelos filmes baseados em seus livros Stardust e Coraline. Já resenhei uma outra obra dele, Lugar Nenhum, um livro fantástico, literalmente!


Sinopse: Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino. Ele sabia que os adultos não conseguiriam – e não deveriam – compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível – as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.


A história começa e não sabemos o nome do protagonista, que é o narrador da trama, somente sabemos que ele voltou a Sussex, na Inglaterra, cidade onde ele passou sua infância para comparecer a um funeral. Depois do dever cumprido, inconscientemente ele dirige para a fazenda Hempstock que fica no final da estrada, onde ele tinha uma amiga chamada Lettie. Na época ele tinha sete anos e ela onze. Ela morava com a mãe e a avó.
Chegando na fazenda, ele encontra somente a senhora Hempstock que o reconhece de imediato. Lhe oferece algo para beber, mas ele quer ir até o lago primeiro – ao qual Lettie se referia como oceano – e é lá que toda a trama começa, as lembranças de sua infância veem à tona, infância essa marcada por momentos difíceis, mágicos e sentimentos assustadores.

"Era apenas um lago de patos, nos fundos da fazenda. Nada muito grande. Lettie Hempstock dizia que era um oceano, mas eu sabia que isso não fazia o menor sentido. Lettie falou que elas haviam atravessado o oceano até ali, vindas da velha pátria."

Voltamos então, há quarenta anos atrás, onde os pais do protagonista estavam passando por dificuldades financeiras e decidem alugar um dos quartos para ajudar nas despesas. Um dos inquilinos, um sul-africano, roubou o carro da família, dirigiu até o final da estrada e cometeu suicídio. A morte desse homem e a chegada de uma nova governanta, a bela Ursula Monkton despertam a escuridão e coisas estranhas começam a acontecer. Lettie, apesar de ser uma garota com apenas onze anos, promete resolver a situação e proteger o garoto de sete.

"Eu acreditava nela, e isso significava que nada de ruim me aconteceria enquanto estivesse ao seu lado. Eu sabia disso do mesmo jeito que sabia que a grama era verde, que as rosas tinham espinhos afiados e lenhosos, que cereal matinal era açucarado."

Esse é o protagonista que Neil Gaiman compôs. Uma criança tímida porém curiosa e apaixonada por livros. No início da trama ficamos sabendo que ninguém foi a sua festa de aniversário, nem mesmo sua irmã mais nova. Ele não tinha nenhum amigo na escola, ninguém gostava dele lá. E sempre preferia a companhia dos livros que das pessoas.

"Gostei disso. Livros eram mais confiáveis que pessoas, de qualquer forma."

"Fui para outro lugar em minha cabeça, para dentro de um livro. Era para onde eu ia sempre que a vida real ficava muito difícil ou muito inflexível."

Esse romance é pra todas as idades, apesar de ser rotulado para adultos. De linguagem leve e envolvente é definitivamente um livro pra quem gosta de mistério e fantasia. Com uma pitada de nostalgia e melancolia, claro! Uma mistura de cenários, sensações e sentimentos que vão te envolver em capítulos curtos, porém instigantes. 

"Vou dizer uma coisa importante para você. Os adultos também não se parecem com adultos por dentro. Por fora, são grandes e desatenciosos e sempre sabem o que estão fazendo. Por dentro, eles parecem com o que sempre foram. Com o que eram quando tinham sua idade. A verdade é que não existem adultos. Nenhum, no mundo inteirinho."

Nenhum comentário:

Postar um comentário