Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

RESENHA: AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL- STEPHEN CHBOSKY

"Quando estava indo para casa, só conseguia pensar na palavra ‘especial’. E pensei que a última pessoa que me disse isso foi a tia Helen. Foi muito bom ter ouvido isso novamente. Porque eu acho que todos nós nos esquecemos às vezes. E eu acho que todo mundo é especial à sua própria maneira. É o que eu penso."

Último dia do ano, a resenha não poderia ser diferente, tinha que ser especial. As Vantagens de Ser Invisível foi um presente incrível pra mim esse ano. Normalmente eu não gosto de assistir à um filme e só depois ler o livro, mas aconteceu. Com um filme apaixonante, me envolvi mais ainda na leitura de um livro fenomenal de verdadeiro, intenso. Muito porque o livro é escrito em cartas, e eu sempre gostei de escrever para meus amigos, aliás, ainda gosto! E eu precisava registrar minhas impressões sobre essa perfeição de obra!


Sinopse: Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, As vantagens de ser invisível reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela. As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir “infinito” ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário. Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo.




Charlie é um adolescente solitário e com uma visão ingênua do mundo. Sem amigos ou grandes emoções na vida, ele compartilha com nós, leitores, sua história a partir de cartas para um amigo anônimo. 

Seu rotina é bem monótona, mas, ao mesmo tempo, suas cartas são recheadas de acontecimentos. Isso porque Charlie é bastante observador e analista, o que rende comentários  bacanas para seu "amigo por correspondência". 

A verdade é que ele sempre foi incompreendido. 







"Então, esta é minha vida. E quero que você saiba que sou feliz e triste ao mesmo tempo, e ainda estou tentando entender como posso ser assim."







Seu único amigo, Michael, cometeu suicídio, sua tia, Helen, que era bastante querida por ele, morreu, seus pais o tratam com extrema cautela e sua irmã mais velha tem seus próprios problemas para lidar. Não havia muito mais o que fazer a não ser ir vivendo, um dia de cada vez.



Mas sua vida muda radicalmente quando três pessoas entram nela: Bill, seu professor, que se mostra interessado em Charlie e o incentiva a descobrir novos mundos nas páginas dos livros.



"Charlie. Por favor, não me interprete mal. Não estou querendo que você fique sem graça. Só quero que você saiba que é muito especial... e o único motivo para eu lhe dizer isso é que não conheço mais ninguém assim. (...) Eu o considero um amigo, Charlie."




E Sam e Patrick que trazem intensidade para a vida de Charlie. Festas, mais amigos, novas experiências e até o amor vão fazer parte da sua nova rotina. Os dois não são os mais certinhos, mas são carismáticos e serão os responsáveis por incentivar Charlie a aproveitar a vida, a experimentar de tudo.







"Quando chegamos ao fim do túnel, Sam deu um grito muito divertido, e foi isso. Chegamos ao centro. As luzes nos prédios e todo o resto eram maravilhosos. Sam se sentou e começou a rir. Patrick também riu. Eu comecei a rir. E naquele momento eu seria capaz de jurar que éramos infinitos."







Ele se apaixona por Sam, embora não saiba como expressar esse amor. Senti que Charlie entendia o amor como uma completa dedicação a felicidade do outro, negando a si mesmo, como se não fosse merecedor de receber sua parte de afeto numa relação.







 "
Nós aceitamos o amor que achamos que merecemos."











A partir daí ele lê livros sensacionais e vive experiências memoráveis! 




Charlie passa a se sentir infinito. 





E é bacana acompanhar um ano na vida de Charlie. Somos envolvidos por sua vida e pela visão de mundo que ele tem. O livro valoriza as relações de amizade e as familiares. Ela nos leva de volta a adolescência, fase regada de questionamentos, descobertas e emoções fortes. 





A irmã de Charlie também é alguém decisivo para podermos compreender a personalidade do garoto. Os dois são responsáveis por momentos de tensão e carinho ao longo do livro, realmente de emocionar.









"Então, eu acho que somos o que somos por várias razões. E talvez nunca conheçamos a maior parte delas. Mas mesmo que não tenhamos o poder de escolher quem vamos ser, ainda podemos escolher aonde iremos a partir daqui. Ainda podemos fazer coisas. E podemos tentar ficar bem com elas."

Entrando em detalhes do que é abordado no livro, me apaixonei pelos livros, músicos e canções que Charlie cita. Ele tem essa coisa de criar cassetes com músicas que se pareçam com seus amigos e dar de presente para eles. A música mais citada é "Asleep" do The Smiths ♥


E agora falando um pouco do filme, as músicas citadas no livro são bem colocadas no filme, se encaixam perfeitamente em cada cena. E nem preciso dizer que a adaptação para as telonas ficou super fiel ao livro. O famoso Charlie do livro foi protagonizado por Logan Lerman, e a Sam e o Patrick foram protagonizados por Emma Watson e Ezra Miller. Acho que todos atuaram tão bem, que pareciam ser os próprios personagens. Foram escolhas perfeitas para o papel.


Acho que escrevi muito! Mas você tem que ler o livro, assistir o filme, porque ele é 'especial', não tem outra palavra que defina. Não sei se sentirá como eu, mas eu quero cada dia mais ser infinito, mesmo que nossa existência seja finita, há um tempo compreendido na emoção que despertamos e nos são despertadas que dura para sempre!

A última carta de Charlie, de emocionar :')

Nenhum comentário:

Postar um comentário