Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

domingo, 12 de janeiro de 2014

NAMORE UM HOMEM QUE VIAJA




Namore um homem que viaja. Namore um homem que valoriza experiências ao invés de coisas, um bracelete artesanal ao invés de um Rolex. Namore um homem que treme ao ouvir as palavras “férias”, “all-inclusive” ou “resort”. Namore um cara que viaja porque ele não é levado por um objetivo apenas mas vários.
Você pode encontrá-lo no aeroporto ou em uma livraria olhando os guias de viagem – no entanto ele só os usa “como referência.”
Você saberá que é ele porque quando você olhar a tela de seu computador, o background será um cenário lindo de montanhas. Ele terá muitos amigos no Facebook, e seu mural será repleto de “I miss you” dos amigos que ele encontrou pelo caminho. Quando viaja, ele faz amigos para a vida toda em uma hora. E mesmo que o contato com esses amigos seja esporádico e eles estejam distantes, se ele quisesse poderia viajar o mundo inteiro de novo ficando na casa desses amigos.
Pague uma cerveja a ele. Quando um viajante chega em casa, as pessoas raramente ouvem suas histórias. Então ouça a ele. Permita que ele descreva a viagem de forma que traga você para o mundo dele. Ele pode falar rápido e esquecer de pequenos detalhes porque fica muito empolgado. Mas se empolgue com ele. Queira isso para você.
Ele vai adorar quando a última edição da National Geographic chegar em casa. Aí vai ficar quieto até terminar de analisar cada foto, cada aventura. Ele vai se colocar dentro de cada uma das fotos. Vai te passar a revista e perguntar, querendo competir, qual foi a coisa mais louca que você já fez na vida. Conte a ele. Ele provavelmente vai ganhar. Mas se por acaso você ganhar, saiba que o próximo passo da vida dele será te alcançar. Mas aí ele vai dizer “Talvez nós possamos fazer isso juntos.”
Namore o homem que fala de lugares distantes e que as mãos tenham explorado ruínas de antigas civilizações e que a mente tenha imaginado aquelas mãos cavando, construindo e pintando as maravilhas do mundo. E quando ele conta, é como se ele estivesse passando isso para você. Você quase consegue ouvir o coração dele acelerado. Você quase consegue sentir a adrenalina do momento. Você sente isso passando através da sinapse dele. Você vai querer também.
Namore um homem que tenha vivido com uma mochila porque ele é feliz com menos. Um cara que viajou já viu pobreza e jantou com aqueles que vivem sem água potável, mas que mesmo assim recebem estranhos com mais hospitalidade do que um rico. E porque ele já viu isso, sabe como uma vida sem luxos é uma vida abastecida de família e relacionamentos, ao invés de carros chiques e ego. Ele já experimentou várias formas de ser, respeita religiões alternativas e olha para o mundo com os olhos de alguém de cinco anos de idade, curioso e com fome. Seu pai também vai ficar feliz porque ele é bom com dinheiro e sabe como administrar baixos orçamentos.
Esse homem valoriza a casa; o conforto de uma coberta, a segurança de um tempero de mãe e a conversa boa dos amigos de infância. Mesmo independente, ele reflete sobre si mesmo e suas relações. Apesar de sua sede por viagens, ele conhece e aprecia estar em casa. Ele teve chance de sentir falta e de sentirem falta dele. Por causa disso, ele também sabe como é uma despedida. Ele sabe o quanto é ruim a incerteza de sair do conforto de casa, o “até logo” indefinido e os portões de embarque, e mesmo assim ele mergulha sem medo no desconhecido porque ele conhece o sentimento de retornar. E aquele abraço de saudades é o melhor tipo de abraço no mundo inteiro. Ele também sabe que as despedidas são somente prolongados “até logo” e aquele “olá” está tão distante quanto aquele café com internet.
Não segure esse cara. Deixe ele partir e vá com ele. Se você não viajou, ele vai abrir seus olhos para um mundo além daquele das notícias e percepção popular. Ele vai abrir seus sonhos a possibilidades e realidade. Ele vai te acalmar quando você estiver quase perdendo um voo ou quando furar o pneu do seu carro alugado, porque ele sabe que a aventura é a jornada. Ele vai fazer você se sentir em casa.
Quando você ver alguma coisa bonita, ele vai segurar sua mão em silêncio, em respeito à história do lugar onde você está, e pelo fato de você estar com ele.
Ele vai viver o agora em cada momento com você, porque essa é a forma que ele vive a vida. Ele entende que a felicidade nada mais é que um conjunto de momentos espontâneos, e ele está determinado a viver esses momentos o máximo que puder.
Ele também entende que você precisa viver sozinha e que tem uma bucket list própria. Entenda isso. Entenda que seus objetivos podem ser diferentes em algum ponto, mas essa independência é a base de uma relação saudável quando é mutuamente respeitada. Você pode perdê-lo um pouco, mas ele vai sempre voltar para casa com uma história nova e um souvenir que ele comprou porque lembrou você, como se tivesse sido feito para você, e porque ele sentiu saudades.
Você pode querer fazer o mesmo. Garanta que independência esteja na sua bucketlist, e tenha certeza de que está sendo cumprida. Independência vai manter sua relação nova e excitante, e quando vocês estiverem juntos novamente terão uma confiança infinita um no outro.
Ele vai te pedir em casamento quando você estiver fora da sua zona de conforto, seja com medo de pular de pára-quedas, mergulhando com tubarões, ou sentando próximo daquela pessoa que não tomou banho em um ônibus lotado. Não será com um anel de diamantes, mas com um anel feito por uma cultura nativa ou inspirado pela natureza.
Você vai se casar em algum lugar incomum, rodeada de poucas pessoas selecionadas, em um momento construído para celebrar a aventura no desconhecido, novamente. Case com o homem que viajou e juntos irão fazer do mundo a sua casa.
Quando estiverem prontos, terão crianças com os nomes dos personagens que encontraram em suas jornadas. Talvez você vá viver em outro país, e seus filhos aprenderão um novo idioma e costumes que abram suas mentes. Ele irá introduzi-los aos livros de Hemingway, à jornada de Santiago, e encorajá-los a viver muito mais do que vocês dois.
Case com um homem que viaja e ele irá ensinar suas crianças a beleza de uma pedra, as histórias do Incas e irá instigar a coragem.
E quando você estiver velho, irá sentar com seus netos e com o álbum de fotografia no colo enquanto eles se transportam para dentro das fotografias, maravilhados pela beleza do mundo e inspirados pela sua vida.
Encontre um homem que viaje porque você merece uma vida de aventuras e possibilidades. Você merece viver de forma leve e com simplicidade. Você merece olhar para a vida através dos olhos da juventude e de braços abertos. Porque é onde você encontra alegria. E melhor, vocês encontrarão alegria juntos.
E se você não conseguir encontrá-lo, viaje. Vá. Abrace isso. Explore o mundo sozinha porque a realidade é feita de sonhos.

Post originalmente publicado no blog Where Are My Heels?

2 comentários:

  1. E ótimo namorar um homem que viaje, geralmente eles tem muito conhecimento. Adorei o post ja to ate seguindo o blog

    http://petitechics.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Sempre quis namorar um homem que viaja muito. hehe Muito bom. Adorei o seu blog. Sucesso, Kênia. ;)

    ResponderExcluir