Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

sexta-feira, 7 de março de 2014

MEUS PRIMEIROS DIAS EM DUBLIN

Cheguei em Dublin no dia 23 de fevereiro, depois de um voo de mais ou menos 10 horas (as dez horas mais rápidas da minha vida!) pela Air France. Como havia dito, conseguimos (eu e Wesley, meu anjo da guarda aqui na Irlanda) antecipar nosso voo, ao invés de fazer escala em Amsterdã, fizemos em Paris e chegamos antes do meio dia. Depois da tensão de passar pela imigração, hora de encarar vida nova em Dublin! E o que falar da minha primeira impressão: friozinho bacana! Escolhi uma época muito boa pra chegar, frio de 11 graus e à noite em torno de 6 graus, super suportável! Na verdade, o que incomoda é o vento, às vezes.

Centro de Dublin
Primeira parada: hotel pra deixar as malas. É que, ainda no Brasil, assim que fechei acordo com a escola e comprei as passagens aéreas, decidi reservar uma semana em um hotel pra depois procurar acomodação. Acontece que, na sexta-feira, um dia antes de viajar, eu recebo uma mensagem que uma amiga de um amigo conhecia alguém que estava precisando passar uma vaga urgente de um quarto de solteiro, e assim que pude, entrei em contato com essa pessoa. Como estava na vibração positiva, consegui fechar com ele que assim que chegasse em Dublin, ia levar o dinheiro do depósito e do aluguel.
Conheci minha casa, que fica em Dublin 3, em uma rua de frente a um estádio! *_* Mas como nem tudo é perfeito, o quarto ainda não estava limpo, então tive que dormir no hotel no domingo e na segunda, pra daí ter tempo de organizar tudo.

Vista da esquina da rua onde moro em Dublin 3

Tenho essa visão privilegiada ao abrir a porta da casa onde moro!
Croke Park Stadium 

Depois de resolvido o caso da acomodação, andei um pouco no centro pra comprar um chip de uma operadora local, pra avisar em casa e pra manter os contatos, já que não tinha como continuar com meu número do Brasil, bem que eu queria, mas ia sair muito caro. Comi alguma coisa por ali mesmo, voltei pra o hotel pra finalmente descansar da viagem. Apesar de estar super empolgada com a vida nova e tals, não havia dormido quase nada, precisava recarregar as energias para o dia seguinte.

Wesley, meu anjo da guarda e amigo aqui na Irlanda 

Na segunda-feira, fui na escola dar sinal de vida (Wesley me levou lá), lá, eles me receberam super bem, fui super elogiada, e de quebra marcaram um teste de nivelamento, só pra constar no registro. Meu curso de Business já estava definido desde o Brasil.
Feito isso, bater perna atrás de casacos de frio que aguentem as chuvas repentinas, achei melhor trazer uns casacos do Brasil só pra me virar e deixar pra comprar uns mais resistentes aqui mesmo em Dublin, o que foi uma excelente decisão. Aqui tem muitos brechós, eles chamam de "Charity Shops" e os preços são bacanas e de qualidade, tem coisa semi-nova e outras nunca usadas. Vale super a pena. 

No meio do caminho, almoçamos em um restaurante de comida grega, e olha, é maravilhosa a culinária deles! Depois, paramos em um parque super conhecido em Dublin: St Stephen's Green. Momento de relaxar e curtir a beleza do lugar. É incrível como os pombos desse parque são gordos! Os irlandeses compram pão de forma, que por aqui é super baratinho, só pra dar pra eles! E como é perto, passamos também na famosa universidade Trinity College, onde tenho planos de estudar  um dia. Sonhar não paga, né?

A entrada principal, situada em frente à rua Grafton Street, dá acesso ao parque por meio de um arco chamado The Fusilier's, que foi construído em homenagem aos soldados mortos durante a Segunda Guerra Mundial.

Lago artificial

Tudo tão verde...

Como não relaxar com uma paisagem dessa?

Fonte decorativa
Entrada da Trinity College

Corredor de entrada

O Livro de Kells é o mais ilustre representante de um grupo de manuscritos conhecido por estilo insular produzidos entre o final do século VI e o início do IX, nos monastérios da Irlanda, Escócia e do norte da Inglaterra. 

Depois aproveitei pra comprar roupas de cama, nunca pensei que precisasse fazer isso um dia! Tem uma loja chamada Michael Guineys, que possui produtos ótimos e super em conta!
E claro, não poderia deixar de passar na famosa loja de departamento Penneys e ver de perto porque os produtos de lá são tão baratos. Realmente dá vontade de comprar muita coisa, e eu com a ideia de que chegando aqui não ia encontrar roupas do meu tamanho, estava mesmo por fora, aqui está recheado de opções bacanas, mas é preciso controlar no início, se não você sai comprando tudo! Ah, essas lojas ficam todas no centro, bem fácil de achar!

Spire - monumento alto, em forma de agulha, com 120 metros de altura, situado na rua O'Connell Street

Terça-feira foi dia de mudança, do hotel pra minha casa por não sei quanto tempo, limpar o quarto, desfazer as malas, ir ao centro comprar comida. É 20 minutos andando de onde moro para o centro e estou adorando essas caminhadas enquanto o tempo está bom! A paisagem é muito bacana, passo perto de um parque todos os dias, e estou começando a conhecer as ruas e atalhos. 
Sei que agora a coisa ficou séria, pagar aluguel, pensar em comprar comida, nunca fui de fazer planejamento financeiro, mas sempre fui super controlada, menos em relação à livros (hahahaha), mas acredito que vai dar tudo certo.

Mountjoy Park

Vou parar por aqui pra não ficar muito extenso. Mas muita coisa aconteceu nessa primeira semana e ainda vou postar mais das minhas andanças aqui em Dublin. *__*

Se formos analisar a história, veremos que os irlandeses sofreram bastante em vários sentidos, desde invasões em suas terras até uma grande fome. Não há um só motivo para julgá-los pessoas de sorte.
Por esse motivo, dizem que a frase nasceu nos Estados Unidos onde, durante a exploração de ouro e prata no oeste, vários irlandeses encontraram seu "pote de ouro" nos campos da Califórnia. E, por terem sido maltratados e desprezados no começo da migração, os norte americanos julgaram este evento como pura sorte, sendo que em sua concepção os irlandeses não eram capazes de ter qualquer tipo de sucesso.
Há também os que dizem que a palavra "sorte" nesta frase não é a correta a ser usada, principalmente se significa boa sorte. Um termo mais adequado seria "fortuna", que pode ser uma coisa boa ou ruim, pois, mais uma vez, sorte é o que os irlandeses menos tiveram em toda sua história.
Seja lá qual é o motivo certo pelo surgimento desta frase, os irlandeses aproveitaram para fixá-la na mente das pessoas, mostrando pelo menos para aqueles que não conhecem sua história, que são sim, pessoas de sorte!

Um comentário:

  1. Sou sua fã primaaa !! Aguardando as próximas postagens :D
    Take care, XO

    ResponderExcluir