Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

terça-feira, 25 de agosto de 2015

RESENHA: DIAS PERFEITOS - RAPHAEL MONTES

"Ela o havia beijado naquele churrasco. Por que parar? Do beijo, furtado e furtivo, ele havia se tornado refém. Não era o invasor, mas o invadido; não queria só desvendar, mas ser desvendado. Ele amava Clarice, admitiu. Precisava ser amado." 

Ainda na vibe de encantamento pela escrita de Raphael Montes, li seu segundo livro, Dias Perfeitos e como era de se esperar, achei tão impressionante como Suicidas.
O livro tem 280 páginas de puro suspense e ele é literalmente agoniante, somos conduzidos de forma leve e interessante aos acontecimentos e reviravoltas.
Uma curiosidade sobre esse livro é que os direitos de publicação foram vendidos para nove países, entre eles Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, França e Portugal!!! Além de ter seus direitos adquiridos para o cinema. Que esse projeto para o cinema seja produzido em breve!
Mas vamos as minhas impressões!

Sinopse: Téo é um solitário estudante de medicina que divide seu tempo entre cuidar da mãe paraplégica e examinar cadáveres nas aulas de anatomia. Durante uma festa, ele conhece Clarice, uma jovem de espírito livre que sonha tornar-se roteirista de cinema. Ela está escrevendo um road movie sobre três amigas que viajam em busca de novas experiências. Obcecado por Clarice, Téo quer dissecar a rebeldia daquela menina. Começa, então, uma aproximação doentia que o leva a tomar uma atitude extrema. Passando por cenários oníricos, que incluem um chalé em Teresópolis e uma praia deserta em Ilha Grande, o casal estabelece uma rotina insólita, repleta de tortura psicológica e sordidez. O efeito é perturbador. Téo fala com calma, planeja os atos com frieza e justifica suas atitudes com uma lógica impecável. A capacidade do autor de explorar uma psique doentia é impressionante – e o mergulho psicológico não impede que o livro siga um ritmo eletrizante, repleto de surpresas, digno dos melhores thrillers da atualidade. Dias perfeitos é uma história de amor, sequestro e obsessão. Capaz de manter os personagens em tensão permanente e pródigo em diálogos afiados, Raphael Montes reafirma sua vocação para o suspense e se consolida como um grande talento da nova literatura nacional.

"Não queria parecer doente ou maníaco. Com o tempo, ele ia provar a Clarice que ela estava errada. Jamais seria capaz de cometer abusos: faltava-lhe o instinto animal que os homens ganham ao nascer. Essa era apenas uma de suas qualidades. Se houvesse mais gente como ele, o mundo seria melhor."

Na trama somos apresentados a Téo, um futuro médico que leva uma vida muito tranquila. Mora com sua mãe Patrícia numa boa região do Rio de Janeiro e passa a maior parte do seu tempo dedicado à ela que é cadeirante e claro, à Medicina. 

Téo não é um cara muito sociável, possui apenas uma amiga com quem mantém um vínculo muito forte. Gertrudes é uma mulher mais velha e entende cada detalhe da personalidade de Téo. Seria uma amizade bacana, se Gertrudes não fosse um cadáver que o universitário estuda na aula de anatomia.

Essa tranquilidade acaba quando ele conhece Clarice, estudante de História da Arte, em um churrasco que, a príncipio, ele não tinha interesse em comparecer. Sua mãe literamente o arrastou. 

O jovem nunca amou alguém de verdade e Clarice o deixa fascinado. Ela era espontânea e possuía uma beleza exótica. Então, no dia seguinte, Téo começou uma perseguição doentia para saber mais sobre ela. Descobriu onde ela morava, quem era sua melhor amiga, onde estudava e que ela tinha um namorado. Seguiu a moça o dia inteiro e a tira de situações embaraçosas.
E pra complementar a obssessão, decidiu presentear a moça com um livro da Clarice Lispector, julgando que a moça fosse adorar. 

O que não ocorreu. Clarisse não tem o menor interesse e diante da rejeição, ele acaba por usar o livro como instrumento e  bate na cabeça de Clarice, deixando-a caída no chão. 
Sem muita opção, ele precisava fazer com que Clarice lhe desse uma chance e decide sequestrar a jovem. 

Como Clarisse tinha um roteiro para terminar, Téo a leva para um chalé em Teresópolis, dentro de uma mala rosa. Ele quer repetir o roteiro de viagem da história dela que coincidentemente se chama Dias Perfeitos, no qual três amigas decidem tomar um carro e saírem para viajar.
A proposta é ajudá-la a terminar seu roteiro e ao mesmo tempo se conhecerem melhor. Ele acredita que ela o ama, quando na verdade o ódio dela cresce a cada dia. Ele cria planos para o futuro baseado no que ele acredita estar acontecendo entre eles ou algo que a jovem diz a ele.

Ele inventa a todos uma desculpa de que estão namorando e assim a mantém refém. Em sua mente, tudo que ele faz é por amor: o porque de dopar, mantê-la algemada e amordaçada. Em alguns momentos, ele chega até a espancar Clarisse, mas tudo por amor.

"Quis dizer qualquer frase que a fizesse parar de sofrer, mas pensou que há momentos na vida em que o sofrimento é necessário."

Téo justifica todas as suas ações em prol de seu amor por Clarice. Tudo era tão natural, por mais absurdo que fosse o ato, o que nos leva a questionar, será que está errado mesmo? Téo só quer ter uma chance com Clarisse, que mal há nisso? 
Mas por outro lado, suas ações eram bem frias e macabras. Bem características de uma mente desequilibrada. Só que é difícil entender ou tomar partido nesse caso, já que o próprio Téo não se enxerga como um homem ruim. 

Bom, o que dizer do desenrolar dessa história? Cada capítulo flui de forma fenomenal. Raphael fez uma pesquisa muito sucinta em relação aos vocábulos da área de medicina, trazendo uma realidade para a trama. A narrativa em terceira pessoa nos distancia do personagem principal, o que eu encarei como positivo, já que assim nos possibilita acompanhar os pensamentos de Téo de forma mais acurada. E o desfecho? Sem dúvida, o mais surpreendente. Durante a leitura eu me pegava pensando em como tudo acabaria e como seria a vida da Clarice após os eventos do livro, mas o que aconteceu mesmo foi terrível e porque não dizer, genial!

"Raphael certamente redefinirá a literatura policial brasileira e vai surgir como uma figura da cena literária mundial." Scott Turow

Abaixo segue o book trailer. Mais um livro da literatura nacional que eu não vou cansar de recomendar! O Scott Turow estava realmente certo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário