Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

RESENHA : SUICIDAS - RAPHAEL MONTES

"Tentei desviar o olhar, mas não consegui. Minha própria dose de sadismo me fazia querer ver cada detalhe do ato. Sou curioso. Assim como você, leitor, que percorre com avidez estas linhas, eu queria saber exatamente o que iria acontecer. Por mais macabro que fosse. Por mais louco. E eu não me importo. Não se importe você também. Ninguém está olhando... Ninguém vai nos condenar por estes segundinhos de sordidez."

A resenha de hoje é de uma obra de um escritor nacional de escrita fenomenal. Ler um bom livro nacional é sempre um prazer e tenho que falar que esse livro mexeu comigo de uma forma inexplicável, não queria parar de ler, tanto que terminei a leitura de 488 páginas em exatos 4 dias! O romance policial que tirou meu sono se chama Suicidas, livro de estréia do escritor carioca Raphael Montes.


Sinopse: Um porão, nove jovens e uma Magnum 608. O que poderia ter levado universitários da elite carioca – aparentemente sem problemas – a participar de uma roleta-russa? Um ano depois do trágico evento, que terminou de forma violenta e bizarramente misteriosa, uma nova pista, até então mantida em segredo pela polícia, ilumina o nebuloso caso. Sob o comando da delegada Diana Guimarães, as mães desses jovens são reunidas para tentar entender o que realmente aconteceu, e os motivos que levaram seus filhos a cometerem suicídio. Por meio da leitura das anotações feitas por um dos suicidas durante o fatídico episódio, as mães são submersas no turbilhão de momentos que culminaram na morte de seus filhos. A reunião se dá em clima de tensão absoluta, verdades são ditas sem a falsa piedade das máscaras sociais e, sorrateiramente, algo maior começa a se revelar. 

"A morte é apenas uma das formas desta triste partida. Existem outras. Piores."

A narrativa do livro ocorre em três momentos distintos: as anotações do jovem Alessandro, que almeja ser escritor e mantém um diário com os principais acontecimentos à sua volta; um diário com a narrativa do mesmo das mortes no porão de Cyrille’s House, diário esse encontrado pela polícia na cena do crime; e a gravação da reunião das mães dos jovens. 

Achei muito show do Raphael de alternar a narrativa porque o livro vai revelando segredos aos poucos, nos instigando a continuar lendo porque a questão é entender o que aconteceu no porão e porque os jovens decidiram se matar.

Também porque quando  acompanhamos a narrativa em tempo real, ela chega a ser bem pesada. O livro retrata detalhadamente os acontecimentos, reações e desespero dos jovens literalmente trancafiados no porão. Acompanhamos de necrofilia, cabeças destroçadas a violação de corpos. É muito sangue envolvido, se você não tem sangue frio, não leia.

E quando ele alterna para a reunião com as mães, é meio que uma discussão e análise da situação toda, daí já fica mais leve a escrita e te faz querer ler mais. Chega a ser bem engraçada a parte em que as mães discutem,  já que elas não se entendem e acabam por julgar umas às outras.

A impressão do Alessandro sobre os acontecimentos do seu dia-a-dia, opinião sobre as pessoas e amigos é minha parte preferida. O Alessandro conseguiu me conquistar logo de cara por ser aquele típico cara tranquilo, mas com poder de persuasão. Ele nos conduz pelos seus sentimentos e acabamos por sentir o que ele sente. Se ele odeia um personagem, nós odiamos também ou o contrário. Se ele fala que a Waléria é uma vaca arrogante ou que o Otto é um mentiroso, como não acreditar nele?


"Quando deixamos de ser humanos? Quando nos tornamos esses monstros armados e delinquentes? Como umas doses de álcool, alucinógenos e um porão abafado puderam nos transformar em seres tão pífios? E, sim, eu me incluo no grupo."

O livro mostra a vida dos jovens da classe média alta, superficiais, arrogantes, preconceituosos e suas vidas regadas a muita bebida, sexo, drogas e dinheiro.
Raphael foi brilhante na criação dos personagens! Destaque para o mimado e porra louca do Zac, o venenoso Alessandro (meu preferido), a interesseira da Waléria, o ingênuo Dan, que tem Síndrome de Down e mais a conferir.


"Nós somos como todo mundo. Uma família buscando a tranquilidade, aparentando um bem-estar volátil, os problemas pairando sobre nossas cabeças. Tentamos ser felizes, viver momentos inesquecíveis, poéticos, cinematográficos. Mas não dá. Simplesmente não dá."

É uma leitura muito boa, impossível não se envolver com a escrita genial de Raphael! E o que falar da conclusão? Tudo se amarra, é incrível! E o mais assustador é a última frase do livro, quem leu, vai entender o que eu estou falando! rsrs

Eu indico muito, mas muito mesmo a leitura desse livro, aos amantes de romance policial, aos que querem ler um bom livro, ele com certeza foi a minha leitura do ano!

Quer conhecer mais desse escritor? Assistam esse vídeo dele contando do seu processo de criação. Muito orgulho da literatura nacional!


Nenhum comentário:

Postar um comentário