Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

RESENHA: O VILAREJO - RAPHAEL MONTES

Da literatura nacional, o escritor do momento com certeza é Raphael Montes! Escritor de romances policiais, tem três livros lançados: Suicidas, Dias Perfeitos e o recém lançado, O Vilarejo.
Minha resenha de hoje é do livro de contos, O Vilarejo, uma coletânea formada por sete histórias de sete pessoas diferentes, ligadas pelo fato de habitarem o mesmo vilarejo que é rondado pela fome, terror e frio. 
Com elementos góticos inspirados em Stephen King e H.P.Lovecraft e uma narrativa fluida, as histórias podem ser lidas de forma aleatória, não afetando em nada o entendimento da trama.
Não à toa, Raphael foi chamado de "O príncipe dos horrores" pelo jornal O Globo. 


Sinopse: Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome. As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.

"O velho estava certo. O vilarejo está sendo dizimado dia após dias. O luto sentou-se à mesa. Ninguém chora os mortos. Não podem desperdiçar energia lamentando a partida dos que não suportaram o frio e a fome."

Os contos são: 
Belzebu - Banquete para Anatole; 
Leviathan - As Irmãs Vália, Velma e Vonda; 
Lúcifer - O Negro Caolho; 
Asmodeus - A Doce Jekaterina;  
Belphegor - A Verdadeira História de Ivan, o Ferreiro;  
Mammon - O Porquinho de Porcelana da Sra. Branka 
Satan - Um Homem de Muitos Nomes.

Os contos se ligam começando com Felika a mulher de Anatole, mãe de três filhos, e segue com o segundo conto envolvendo as irmãs Vália, Velma e Vonda, cuja inveja destrói suas vidas.

No terceiro conto, acompanhamos o negro caolho e de pele escura que pecou somente por ser diferente dos que vivem no vilarejo. Ele encontra primeiro a bondade, para depois se deparar com a maldade e a soberba.

No quarto conto, a personagem é Jekaterina, que busca vingança daquele que foi seu carcereiro em uma maldade escondida e desconhecida pelas pessoas. 

No quinto conto vemos Ivan, um homem corajoso e um dos melhores ferreiros do vilarejo, que mantém um segredo no porão de sua casa. 

O sexto conto mostra a história de uma órfã criada por sua avó amorosa, mas que se deixou levar pela ganância.

E para terminar, Anatole, que ao regresar para casa presencia um pesadelo real praticado por sua amada esposa Felika. 


"O mundo não se resume a esse vilarejo incrustado no meio do nada, Sr. Ivan. Existem outras línguas. E outros tons de pele. O fato de sermos todos brancos, de olhos claros, não nos torna melhores ou piores." 

O Vilarejo é um livro pequeno, assustador com ilustrações fantásticas e até gotas de sangue! Livro pra ser lido de bobeira em uma tarde. Uma história muito bem escrita e pavorosa que prende o leitor e o deixa abismado com a natureza humana. Apesar de ser bem assustador, eu super recomendo a leitura! A escrita do Raphael Montes aliada a sua criatividade são ótimos motivos para acompanhar qualquer publicação desse escritor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário