Quem sou eu

Minha foto
Prazer, me chamo Kênia, moro em Brasília – DF, sou professora de inglês, canceriana, torcedora do Palmeiras, amante de chocolate e gatos. Tenho como paixão a música, especialmente o rock. Minhas bandas do coração são o Oasis e o Skank. No mesmo nível de paixão está a leitura e o cinema. Adoro seriados inteligentes e de super heróis, e às vezes algo meloso e fofinho pra dar uma equilibrada. Leio de tudo um pouco, mas sou fascinada por distopias, thrillers, fantasia e mitologia. Tenho uma queda pela escrita do Neil Gaiman e do Stephen King e adoro descobrir escritores novos de escrita instigante, principalmente os nacionais. Amo viajar e conhecer novas culturas e lugares históricos. Londres é meu lugar favorito no mundo e tive a oportunidade de desbravar essa maravilha de cidade três vezes. Já pisei em 12 países e só penso em aumentar a lista. Iniciei esse blog há 3 anos com o intuito de compartilhar experiências de um pouco de tudo: resenhas de livros, viagens pelo Brasil e pelo mundo, dicas de inglês, experiências e pensamentos pessoais. Divirtam-se ♥

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

RESENHA: POR LUGARES INCRÍVEIS - JENNIFER NIVEN

"O que percebo agora é que o que importa não é o que a gente leva, mas o que a gente deixa."



Sinopse: Por Lugares Incríveis - Dois jovens prestes a escolher a morte despertam um no outro a vontade de viver. Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.

"Não sou perfeita. Tenho segredos. Sou uma bagunça. Não só o meu quarto, mas eu mesma. Ninguém gosta de bagunça." 

Estados Unidos, Indiana. Por Lugares Incríveis conta a história de Violet Markey, uma garota que tem uma vida perfeita: bonita, popular, namora o jogador de futebol americano mais bonito do colégio. Apaixonada por escrever, possui um blog de variedades com sua irmã Eleanor. Infelizmente essa perfeição se desfaz quando ela e sua irmã sofrem um acidente de carro, deixando Violet como única sobrevivente. 
Confusa e sem saber como lidar com isso, Violet deixa de escrever, tanto no blog como trabalhos escolares, desenvolve uma fobia de carros e não sabe mais se quer cursar Escrita Criativa em alguma universidade dos Estados Unidos.

"Quero me afastar de todos os rótulos. “Tenho TOC”, “Tenho depressão”, “Eu me corto”, eles dizem, como se essas coisas os definissem. Tem um coitado que tem déficit de atenção, é obsessivo-compulsivo, tem transtorno de personalidade limítrofe, é bipolar e, ainda por cima, tem um tipo de transtorno de ansiedade. Eu nem sei o que é transtorno de personalidade limítrofe. Sou o único que é só Theodore Finch."

Theodore Finch é o garoto "Aberração". Possui a fama de bad boy na escola por não se enquadrar aos grupos  e esteriótipos existentes, ele faz e fala o que quer. Tem dois amigos, Charlie e Brenda, que estão acostumados a seu jeito excêntrico e aos seus sumiços, o último, quando ficou quase dois meses sem aparecer na escola.
O que eles não sabem — ou não se dão trabalho de notar — é que Finch é um garoto depressivo, que passa boa parte dos seus dias apagado em uma cama, e que muito das atitudes loucas que toma é com um único propósito: se sentir vivo. 

"Aprendi que existem coisas boas no mundo se você procurar por elas. Aprendi que nem todo mundo é uma decepção, incluindo eu mesmo."

Finch e Violet se encontram pela primeira vez no alto da torre da escola. Finch tem uma fixação pela morte, tanto que possui um diário onde anota várias ideias sobre suicídio, com informações e se as tentativas deram certo. Em uma de suas pesquisas de campo, no alto da torre da escola, ele vê Violet e não entende bem porque ela está lá.
Finch, em sua luta para não apagar mais, acredita que estar lá na torre lhe dá controle. Já Violet, não vê perspectiva de vida sem sua irmã. 
Ele consegue fazer com que ela não pule, mas uma comoção chama a atenção dos outros alunos da escola. Ele então inventa uma história, onde Violet é uma heroína, impedindo Finch de se matar. Todos acreditam.

"Conheço a vida bem o suficiente para saber que não podemos acreditar que as coisas vão ser sempre iguais, não importa o quanto a gente queira. Não podemos impedir que as pessoas morram. Não podemos impedi-las de ir embora. Não podemos impedir nos mesmos de ir embora."

O professor de geografia passa um trabalho e os dois se veem juntos novamente. Eles precisam ir em dois lugares de Indiana que nunca foram antes e descrever porque eles são marcantes. É em meio à procura e descoberta de lugares desconhecidos, que uma amizade incrível cresce, algo inesperado pelos dois. Finch e Violet descobrem não somente lugares incríveis, mas que há magia nas coisas mais simples e que a felicidade deve ser buscada, mesmo que seja em meio ao temporal que ambos vivem.

"O que eu sei sobre transtorno bipolar é que é um rótulo. Um rótulo para pessoas loucas. Sei disso porque fiz um semestre de psicologia e vi filmes e convivi com meu pai durante quase dezoito anos, embora ninguém jamais o rotulasse, porque senão ele mataria a pessoa. Rótulos como “bipolar” significam: É por isso que você é assim. Esse é você. Reduzem as pessoas a doenças."

Esse livro me tocou de todas as formas, principalmente da metade para o final.  Jennifer escreve um  ínicio leve, justamente para nos preparar para as emoções que virão a seguir. Nesse livro é retratado temas como depressão, transtornos bipolares e tendências suicidas de uma forma leve e tocante. Com a narrativa alternada de Finch e Violet, acompanhamos o drama vividos por eles. Violet só precisa de um impulso pra voltar a viver, já que sua cabeça é povoada de  beleza e inspiração. Finch é esse estopim, suas insistências e criatividade, a encorajam a voltar a viver.

Finch é um rapaz melancólico, mas de bom coração. Ele tem atitudes imprevisíveis, mas se importa com as pessoas, uma pena não ser recíproco. Ele sofre com esses apagões que são completamente ignorados por sua família disfuncional. Seu pai, um ex-jogador de hóquei, batia muito nele quando era mais jovem, e abandonou a família por não aguentá-los mais. Já sua mãe, uma mulher que tem dois empregos e raramente está em casa para ouvir as importantes mensagens da secretária eletrônica a respeito de Finch, não consegue perceber que tem algo errado com seu filho.

Ao passar as páginas, a sensação é de querer pular para dentro do livro e tentar ajudá-los com seus dramas, mas ao visitar os lugares por Indiana, eles acabam por se ajudarem, por se entenderem, e isso nos dá um conforto.
Os lugares visitados por Finch e Violet são verídicos e há um mapa no final do livro no qual é possível consultar cada um deles, assim como suas descrições. Além disso, vamos ver uma adaptação para o cinema, chegando em 2017!
Recomendo a leitura de uma das minhas leituras favoritas desse ano. É reflexivo, emotivo, tocante, apaixonante!

"O problema das pessoas é que elas esquecem que na maior parte do tempo o que importa são as pequenas coisas. Todo mundo está tão ocupado no Lugar de Esperar."

Nenhum comentário:

Postar um comentário